Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Brega & Chique

Este é um blogue de uma mulher portuguesa com todas as (f)utilidades inerentes a essa condição...

Dois em um: «O doente inglês» de Michael Ondaatje e «O paciente inglês», de Anthony Minghella

 Para quem não tenciona sair de casa no fim de semana, deixo aqui estas duas sugestões: «O doente inglês», de Michael Ondaatje e «O paciente inglês», um filme baseado no livro, com realização de Anthony Minghella.

 

Primeiro, vi o filme. Trata-se de um filme de 1996, que angariou a "módica" coleção de 9 óscares, para além de 2 globos de ouro e outros prémios. É um dos filmes que já vi várias vezes e que continua a comover-me.

 

Quanto à história, passa-se no final da Segunda Guerra Mundial. Um desconhecido que teve queimaduras generalizadas quando o seu avião foi abatido e é conhecido apenas como "o paciente inglês" (que, ao fim e ao cabo nem sequer era dessa nacionalidade) acaba por receber os cuidados de uma enfermeira, Hana. Gradualmente ele começa a narrar o grande envolvimento que teve com uma mulher e de como este amor foi fortemente correspondido. Mas da mesma forma que determinadas lembranças lhe surgem na mente, outros detalhes parecem não vir à memória, como se ele quisesse que tais factos continuassem enterrados e esquecidos.

 

Contudo, o filme não é "só" esta apaixonante história de amor. Tem um palco de guerra, política e culturas divergentes. Refere-se a sentimentos como o amor, a raiva, a amizade e a traição. E à falta de sorte também... a coisas que parece que estavam à partida condenadas. A densidade psicológica das personagens é bastante intensa e complexa. É preciso percebê-las bem. Mas o elenco é de luxo e "facilita-nos" o trabalho, com atores como Colin Firth, Juliete Binoche, Ralph Fiennes e Willem Dafoe.

 

Uns anos mais tarde, li o livro, de Michael Ondaatje, vencedor do prémio Booker Prize, o mais conceituado prémio literário inglês. À semelhança de outros filmes/ livros estava à espera de gostar ainda mais do livro... Mas, não... Fiquei desiludida. Não sei se foi do tipo de escrita, se do que foi, mas não gostei tanto como do filme. Fui, então, rever o filme para ver se a ideia que tinha estava deturpada, mas não. Ainda fiquei a gostar mais do filme. É questão de experimentarem. Comecem pelo livro, desta vez...

 

Aqui fica o trailer do filme para seduzir:

 

Filmes: «Anna Nicole Smith Story» e a dita cuja

 Vi este filme quase "por acidente" e não, não vou falar de nenhuma obra-prima da 7ª arte... Mas vi-o e, apesar de tudo, confesso que sempre me intrigaram estas bonecas criadas para serem coelhinhas da Playboy. É que, debaixo do objeto sexual que se cria, existe uma mulher. Uma mulher verdadeira, com emoções, problemas e medos iguais a todas as outras. Não apenas aquele corpo perfeito, com mamas de silicone, carinha bonita e cabelo platinado. Elas respiram. São humanas, como todos nós e ah!... pensam também e cometem erros como qualquer outra mulher pode cometer, sem ser sexy e aparecer em revistas de mulheres nuas...

 

No tempo em que as mulheres apareciam nuas na Playboy (agora já nem aparecem, veja-se só como o mundo anda às avessas!) esta foi uma das coelhinhas que mais se destacou. Não só pelos argumentos inegáveis que apresenta a olho visto como por toda a sua história de vida... e de morte.

 

 

 Nasceu Vickie Lynn Hogan, no meio do nada, no Texas. Deixou a escola cedo e cedo também teve o primeiro filho, logo aos 16 anos. Cansada de viver miseralmente, mudou-se para a capital texana em busca do seu sonho de ser modelo e atriz. Desde pequena que idolatrava a Marilyn Monroe e a tentava imitar, ao ponto de o fazer na perfeição. Foi num clube de strip que conheceu o seu futuro marido de 89 anos, que lhe proporcionou estabilidade e segurança.

 

 Ela aceitou casar com ele mais tarde, já depois de ser conhecida pela Playboy. Amor verdadeiro ou interesse, who knows? O filme opta notoriamente pela primeira hipótese...  Depois de ele morrer, andou em guerra no tribunal com o filho dele por causa da herança. Até ela morrer (anos depois) o caso ainda não tinha sido resolvido, depois de ela ter sido humilhada e espezinhada em tribunal e o seu filho já crescido ter problemas em lidar com isso.

 

 

Ela chegou a fazer vários bons trabalhos, como a campanha para a marca Guess?, entre outros. No entanto, a sua dependência pela excessiva medicação, a depressão, a guerra no tribunal, a perseguição pelos media e o estado depressivo em que caíra o seu filho levaram-na à decadência, patente num reality show que protagonizou em que não podia estar pior.

 

 

Felizmente, ela ainda conseguiu recuperar a sua saúde física e mental e tudo pareceu melhorar quando ficou grávida da sua filha. No entanto, logo depois da bebé nascer, o seu filho (já de 20 anos) morreu com uma paragem cardíaca, três dias depois, no hospital onde estava para visitar a mãe e a irmã. Ela nunca mais recuperou, vindo a falecer 5 meses depois, tal como o filho, vítima de misturas de medicamentos acidentais, pois nenhuma droga ilegal foi encontrada nos dois.

 

 

Depois dela morrer, ainda houve uma verdadeira luta pela paternidade e guarda da filha (três possíveis pais e a avó), pois esta menina valeria milhões... Para além de ser filha dela (podemos ver aqui uma campanha em que com 6 anos já fazia para a marca Guess?), seria a herdeira da fortuna que ela nunca chegou a receber em vida do seu marido bilionário (e que nem a filha receberá, depois de uma batalha de 14 anos em tribunal). Afinal, até na morte ela não pôde estar em paz... E acabou por morrer nova como o seu ídolo...

 

 Quem quer ser Playmate depois disto tudo...? Not me... :)

 

 

Filmes: «As sufragistas» (a ver)

 Só por ter como uma das atrizes a grande Merly Streep já valeria ver este filme. O reconhecimento conseguido e a idade permitem-lhe aceitar papéis e filmes em que realmente acredita (e que valem a pena). No entanto, não é só pelo elenco que reúne que estou curiosa para ver esta história. É que a História por detrás da história é um tema que me é muito caro, enquanto mulher republicana.

 

Em Portugal (após algumas "nuances" de voto feminino) foi definitivamente no período do PREC (Período revolucionário em curso - aquele mesmo que é agora tão mal afamado pela Direita), mais concretamente em 1974, que a mulher portuguesa conquistou (finalmente!) o seu direito a votar.

 

Espanta-me, portanto, ver os números da abstenção de hoje em dia. As pessoas (sim, os homens também estão inseridos nestes números escabrosos) esqueceram-se da quantidade de gente que teve que sofrer, ficar sem o seu trabalho ou a sua família, viver na cladestinidade, emigrar, estar preso, sofrer represálias físicas e/ ou psicológicas e até morrer para que, na atualidade, todos possamos escolher quem nos representa. Os números da abstenção são um vergonha e desonram a memória destas pessoas que se sacrificaram para que pudéssemos ter este direito e também este dever. Vejam histórias como esta e mudem de atitude.

 

Aqui fica a sinopse do filme:

A história das ativistas que estiveram no início do movimento feminista, mulheres que foram forçadas à clandestinidade, com um Estado cada vez mais brutal, enquanto lutavam pelo direito de voto. Essas mulheres não eram maioritariamente das classes educadas, mas sobretudo das classes operárias e que tinham assistido ao falhanço do protesto pacífico. Radicalizadas e recorrendo à violência como a única via para mudar, elas estavam dispostas a perder tudo na luta pela igualdade - os seus empregos, as suas casas, os seus filhos e as suas vidas. Maud (Carey Mulligan) era uma dessas ativistas. 
 
E aqui o trailer:

 

Mais sobre mim

foto do autor

Quantos somos no Facebook?

Seguir no bloglovin

Seguidores

Quantos andam aí?

Visitas

Blogs Portugal

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D

Noi hablamos autres lenguas

subscrever feeds

Partilhar no Facebook

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.