Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Brega & Chique

Este é um blogue de uma mulher portuguesa com todas as (f)utilidades inerentes a essa condição...

Violência juvenil: é urgente agir!

 

Uma vez mais, eis que acabo de ver na abertura das notícias da SIC, mais um exemplo da violência em grande escala entre jovens. Em Almada, um jovem é agredido por um grupo de bandalhos (para não dizer bandidos...) enquanto os seus cúmplices (sim, porque assistem e nada fazem para o impedir) assistem com gritos de incentivo uns, e outros gravam para a posterioridade e com orgulho a vergonha a que também nós somos convidados a assistir porque, não satisfeitos, ainda colocam o vídeo na Internet, como se de um troféu se tratasse... Podem ver a peça aqui.

 

A mãe, emocionada, dá o seu depoimento a medo, ainda... o jovem foi agredido em novembro e, até ao momento, tudo está como se nada fosse...

 

Como sabem, este é apenas um dos muitos exemplos de violência por parte dos jovens que cada vez mais vai aumentando... E não afeta apenas jovens, mas também professores, os próprios familiares e a sociedade em geral. No noticiário, o jornalista teve como convidado um psicólogo. Perante as suas perguntas (bastante incisivas, para minha satisfação e espanto porque estou farta que lidem com este assunto como se fosse algo irreal que ocorra apenas num universo paralelo) lá se ouviram as tretas do costume: que era preciso compreender primeiro o fenómeno, que, com certeza, os agressores viriam de um contexto económico-social desfavorecido e violento, bla, bla, bla... Já sabemos isso tudo... (E também é verdade inquestionável que crianças do mesmo tipo de origens são excelentes cidadãos... bem como outras vindas de meios de elite também se tornam marginais... mas a psicologia só funciona numa direção...).

 

Mas à pergunta feita de diversas formas (por causa do psicólogo se tentar esquivar) se estes jovens com 15 e 16 anos não tinham consciência de que o que fizeram era mal, a resposta teve que vir positiva, embora com reservas, claro... Penso que a questão é mesmo essa: é evidente que com 15 anos se sabe que bater em alguém até desmaiar não é correto. Mesmo que se diga que os pais não os ensinaram assim, os jovens têm também a escola para aprender regras e condutas... Não me venham com lérias, sim...? Sabem, sim... Tal como também sabem que nada de especial lhes vai acontecer...

 

É preciso compreender...? Pode ser. Mas depois. Primeiro, é preciso agir... porque este jovem que foi agredido tem que sentir que foi feita justiça; porque a sua mãe não pode ter medo (ao ponto de esperar três dias para fazer a queixa) por denunciar o caso; para que os demais jovens sem este tipo de delinquência possam ir para a escola descansados e, em última análise, para que não se tornem também violentos.

 

É urgente agir! Impedir que, pelo menos, estes agressores possam sequer ter a oportunidade de o voltar a fazer. Se poderem ser reeducados posteriormente, tanto melhor! Se não, não voltariam a fazer o mal nem serviriam de exemplo negativo para a violência gratuita e impune que grassa por aí. Deixarem-nos estar como se nada fosse (já lá vão 2 meses) é o pior que se pode fazer; é o verdadeiro incentivo à propagação destas condutas vergonhosas!

 

É óbvio que os seus encarregados de educação terão tido eventual relevo para que chegassem a este ponto, é evidente que a retirada da autoridade aos professores nas escolas também é fator potenciador destes casos, mas... também é verdade que há pessoas (sejam elas crianças, jovens, adultos ou idosos) que são más, que têm má índole e prazer na violência. É assim tão difícil admitir isso?!...

Mais sobre mim

foto do autor

Quantos somos no Facebook?

Seguir no bloglovin

Seguidores

Quantos andam aí?

Visitas

Blogs Portugal

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D

Noi hablamos autres lenguas

Partilhar no Facebook

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.