Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Brega & Chique

Este é um blogue de uma mulher portuguesa com todas as (f)utilidades inerentes a essa condição...

Programa «Abandonados»: a não perder na SIC

 Se ainda não viram estes magníficos programas do jornalista Pedro Mourinho, têm aqui o link onde o podem fazer. (Ou então, têm a possibilidade das 6h40 da manhã na SIC... ossos do ofício...).

 

Os episódios contam-nos as histórias de edifícios e locais que, um dia, já foram grandiosos e, hoje em dia, estão mortos, graças ao abandono a que foram votados. Na melhor das hipóteses, alguns deles têm um projeto ou uma intenção de serem recuperados, ainda que para um fim completamente diferente.

 

Eu sei que estamos a falar de coisas e não de pessoas, mas confesso que me emociono quando vejo a imponência e o esplendor de outrora e aquilo em que se tornaram. Sim, porque não são só as paredes... É todo um espólio humano que, quer queiramos, quer não, ficou impregnado naqueles locais.

 

E mais me dói quando os dinheiros utilizados na construção e/ou viabilização destas obras foram públicos... para depois serem, assim, deitados ao lixo... Que fizessem lares, que readaptassem para escolas ou orfanatos ou canis, ou fosse lá o que fosse, a não ser que realmente não tivesse mais solução...

 

Para além das pessoas, também as infraestruturas estão a ser abandonadas neste país... É todo um país sujeito ao saque... Urge inverter esta tendência e já!

«Too Faced: Candlelight» ainda existe por aí...?

 Numa das minhas últimas idas à Sephora experimentei (e adorei) este magnífico iluminador da Too Faced, que é marca que me costuma agradar, em geral. Ia toda gaiteira para aproveitar os 20% de desconto a que teria direito, quando a rapariga que me estava a atender me disse que não tinha e que, se calhar, já não havia mais porque lhe parecia que o produto estava descontinuado.

 

Escusado será dizer que me senti como uma criança a quem lhe acenam com um doce e que depois lho tiram... Vim para casa convencida que o iria encontrar em algum daqueles maravilhosos sites britânicos que têm-tudo-e-mais-alguma-coisa... nada... Tudo esgotado... O único em que vi foi mesmo o americano oficial, portanto, deduzo que não tenha sido realmente descontinuado.

 

Será que sabem de algum sítio onde se venda? Não quero dar a ganhar dinheiro à Alfândega...

 

O que me impressionou realmente foi a falta de profissionalismo na Sephora... Em primeiro lugar, se o produto realmente não existe, não deve estar em exposição e muito menos ser mostrado pela própria funcionária... Depois, não era o "se calhar" ou o "já não deve"... Ia informar-se a quem de direito e prestar a informação correta. Ainda ficou com o meu número para encomendar "caso existisse", mas já não é a primeira vez que o fazem e nunca mais dizem nada...

 

Resumindo: amuei!

 

 

Livros: «Um», de Richard Bach

  E se o espaço se deslocasse e o tempo se desdobrasse e pudessemos falar cara a cara com as pessoas que fomos no passado, com as pessoas que somos em tempos de vida paralelos em mundos alternativos?
O que lhes diriamos, que lhes perguntaríamos?
Em UM, Richard Bach conta a viagem feita com a mulher Leslie, a reinos onde a sobrevivencia depende da sua capacidade de descobrirem o que outros aspectos de si proprios aprenderam ao longo de caminhos por onde nunca enveredaram, onde a imaginação e o medo são instrumentos para salvar mundos e para os destruir, onde morrer é um passo para se ultrapassar a morte.

 

Esta é a sinopse de um livro que li há muitos anos e que quero reler (agradece-se a quem emprestei que devolva...ai, se eu me lembrasse quem foi...).

 

Lembro-me que fiquei deslumbrada com o tema deste livro. Eu sei que quando se fala em Richard Bach fala-se logo de «Fernão Capelo Gaivota», mas, para mim, este livro tem muito mais "assunto".

 

Recordo-me que andei bastante tempo a pensar neste "assunto" que, de tão óbvio, é esquecido. Ninguém na sua rotina diária tem a consciência permanente de que está constantemente a tomar decisões que afectarão para sempre o desenrolar da sua vida.

 

O que será que teria acontecido, por exemplo, se, há um mês, em vez de ter escolhido virar à direita tivesse virado à esquerda? Teria tido um acidente? Teria encontrado uma pessoa que não via há muito? Ou uma nova que podia ser o amor da sua vida?...  Aquelas que parecem ser pequenas decisões podem, de facto, vir a mudar toda a sua existência.

 

E se pudéssemos voltar atrás no tempo àquele momento em que dissémos não quando podíamos ter dito sim? Como seria a nossa vida, caso tivéssemos respondido afirmativamente...? E se houvesse um universo pararelo onde todas essas "pequenas" decisões tivessem sido diferentes e desembocassem em histórias nossas diferentes? E as pudéssemos visitar? Cada uma delas! Seriviria para fazermos diferentes escolhas na nossa vida "real"?

 

Por vezes, dou-me ao luxo de pensar nestas questões e imaginar como teria sido diferente se "isto" ou "aquilo"... Dir-me-ão que é uma perda de tempo?... Não, se isso me fizer ponderar melhor e tomar a decisão certa no futuro...

 

Sem dúvida, um livro marcante da minha vida... Era bom que mo devolvessem....

Mais sobre mim

foto do autor

Quantos somos no Facebook?

Seguir no bloglovin

Seguidores

Quantos andam aí?

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D

Noi hablamos autres lenguas

Partilhar no Facebook

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.