Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Brega & Chique

Este é um blogue de uma mulher portuguesa com todas as (f)utilidades inerentes a essa condição...

Séries: Os Bórgia

 Hoje venho falar-vos de uma das minhas séries preferidas. O que não faltam é motivos para venerá-la. Por onde começar...? Primeiro, trata-se de uma história baseada na História, ou seja, em factos reais. Esta família existiu e esta gente viveu mesmo assim. Claro que não tal e qual (até porque a esta distância histórica seria extremamente difícil comprovar muita coisa) mas, na generalidade. Não se trata de um retrato de uma família "qualquer", mas DA família. Mas já falarei sobre isso adiante.

 

Falando em História, todo o cenário, o guarda-roupa, o ambiente criado para servir de palco a esta intriga, também é excelente. Conseguimos "viajar no tempo" e viver esta época. Nota-se bem o trabalho (e o dinheiro) que com certeza foi gasto para aprimorar esta contextualização.

Outro dos motivos desta série é o elenco de atores escolhidos. Já viram quem é o Papa Alexandre...? Exatamente! Um dos melhores atores do mundo: Jeremy Irons. Só a presença dele já bastaria... mas o restante conjunto de atores também é muito bom.

 

 E a história? Qual delas?! É que esta família tem todas as histórias de todos os temas reunidas num só núcleo familiar... A história dos Bórgia sempre me fascinou. Papas com filhos? Amor e traição entre irmãos...? E até uma papisa...? Tudo se encontra aqui.

A religião, altamente conspurcada pela luxúria, ganância, assassínio e traição. Tudo, mas tudo o que não é cristão.

 

 

A política e as alianças militares através de casamentos de conveniência e de mortes por envenenamento.

A guerra e a disputa pelo poder, ao ponto de chegar ao fraticídio... Tudo isto na sequência de uma educação completamente contrária aos valores católicos...

 

 

As relações incestuosas entre irmãos, bem como outras derivantes sexuais como triângulos amorosos, libertinagem e até homossexualidade.

 

 

No fundo, a série vai ao fundo da condição humana: a dualidade do ser humano e mais que isso, o facto de ninguém ser totalmente bom nem totalmente mau, porque até a personagem mais negra é retratada como tendo um lado bom. No fundo, todos temos esses dois lados... Portanto, as personagens são trabalhadas até à exaustão. Não há aqui o bom, o mau e o vilão. Há, de facto, muita maldade, mas que não é apenas isso. Também tem o seu contraponto e podemos assistir e compartilhar dos conflitos interiores de cada um deles.

 

A série tem 3 temporadas (esteve no ar de 2011 a 2013) e foi filmada na Hungria. Acabou por ser cancelada e faltam muitas coisas. Algumas das críticas feitas foram principalmente à história entre Cesare e a irmão, Lucrécia. Na série aparece muito romantizada, quando, ao que consta, da parte da verdadeira Lucrécia não existia o mesmo sentimento. Assim, Cesare aparece mais suavizado do que na realidade foi (perseguiu e matou todos os amantes da irmã friamente), embora eu continue a achar que o seu lado sombrio está lá bem à mostra.

 

 Existem muito mais críticas sobre a veracidade de muita coisa na série, mas o facto é que também existem várias versões históricas sobre esta família. Já por si só é difícil "provar" o que acontece nos bastidores da vida, quanto mais há séculos atrás... Factos à parte (e não esquecendo que não se trata de um documentário, mas de uma série ficcionada) façam o favor a vós próprios de a ver. :)

No me gusta: batom "Make it right" da Atomic Collection Amazing Lipstick da Makeup Revolution

IMG_20160309_172350.jpg

Tanto ouvi falar dos batons desta marca, que resolvi experimentar. Pela módica quantia de 1,45€ podem comprar aqui uma destas nulidades. É o batom "Make it right" da Atomic Collection Amazing Lipstick da Makeup Revolution.

IMG_20160309_172258.jpg

Por acaso, tem piada o batom ter esta pompa toda com este nome de coleção, pois de "amazing", não tem nada; pelo contrário... Para mim, em vez de se chamar "Make it right" devia chamar-se "Make it wrong" tamanho o "melão" que apanhei com ele. Este é um daqueles casos em que o barato não presta mesmo para nada. Ponto final.

IMG_20160309_172308.jpg

É que, apesar da cor até ser fiel ao que é apresentado, a qualidade é horrível. Na mão não dá para ver muito bem, porque o tipo de pele não é o mesmo do lábio. O que acontece é que para a cor ficar uniforme, tem que ser passado algumas vezes. Ao fazê-lo (e uma vez que a pele dos nossos lábios não é toda uniforme) ficam bocados mais escuros. Parece uns pontos.

IMG_20160309_172336.jpg

Com o tempo, a "coisa" agrava-se: ele vai secando e esses pontos vão manter-se escuros ao mesmo tempo que o resto se vai desvanecendo. E não, não adianta esfregar os lábios porque não vai melhorar. Vai continuar feio e a única solução é tirar tudo para voltar a pôr... e voltar a acontecer o mesmo...

IMG_20160309_172407.jpg

 Portanto, mais vale investir um pouco mais de dinheiro e comprar algo que não vá para o lixo. Não sei se o resultado se atenua nas cores mais claras, mas nestas mais escuras eu não arriscaria. Ah... e quanto a mais informações de ingredientes do produto e afins, nada de nada. Never more...

Filmes: «Anna Nicole Smith Story» e a dita cuja

 Vi este filme quase "por acidente" e não, não vou falar de nenhuma obra-prima da 7ª arte... Mas vi-o e, apesar de tudo, confesso que sempre me intrigaram estas bonecas criadas para serem coelhinhas da Playboy. É que, debaixo do objeto sexual que se cria, existe uma mulher. Uma mulher verdadeira, com emoções, problemas e medos iguais a todas as outras. Não apenas aquele corpo perfeito, com mamas de silicone, carinha bonita e cabelo platinado. Elas respiram. São humanas, como todos nós e ah!... pensam também e cometem erros como qualquer outra mulher pode cometer, sem ser sexy e aparecer em revistas de mulheres nuas...

 

No tempo em que as mulheres apareciam nuas na Playboy (agora já nem aparecem, veja-se só como o mundo anda às avessas!) esta foi uma das coelhinhas que mais se destacou. Não só pelos argumentos inegáveis que apresenta a olho visto como por toda a sua história de vida... e de morte.

 

 

 Nasceu Vickie Lynn Hogan, no meio do nada, no Texas. Deixou a escola cedo e cedo também teve o primeiro filho, logo aos 16 anos. Cansada de viver miseralmente, mudou-se para a capital texana em busca do seu sonho de ser modelo e atriz. Desde pequena que idolatrava a Marilyn Monroe e a tentava imitar, ao ponto de o fazer na perfeição. Foi num clube de strip que conheceu o seu futuro marido de 89 anos, que lhe proporcionou estabilidade e segurança.

 

 Ela aceitou casar com ele mais tarde, já depois de ser conhecida pela Playboy. Amor verdadeiro ou interesse, who knows? O filme opta notoriamente pela primeira hipótese...  Depois de ele morrer, andou em guerra no tribunal com o filho dele por causa da herança. Até ela morrer (anos depois) o caso ainda não tinha sido resolvido, depois de ela ter sido humilhada e espezinhada em tribunal e o seu filho já crescido ter problemas em lidar com isso.

 

 

Ela chegou a fazer vários bons trabalhos, como a campanha para a marca Guess?, entre outros. No entanto, a sua dependência pela excessiva medicação, a depressão, a guerra no tribunal, a perseguição pelos media e o estado depressivo em que caíra o seu filho levaram-na à decadência, patente num reality show que protagonizou em que não podia estar pior.

 

 

Felizmente, ela ainda conseguiu recuperar a sua saúde física e mental e tudo pareceu melhorar quando ficou grávida da sua filha. No entanto, logo depois da bebé nascer, o seu filho (já de 20 anos) morreu com uma paragem cardíaca, três dias depois, no hospital onde estava para visitar a mãe e a irmã. Ela nunca mais recuperou, vindo a falecer 5 meses depois, tal como o filho, vítima de misturas de medicamentos acidentais, pois nenhuma droga ilegal foi encontrada nos dois.

 

 

Depois dela morrer, ainda houve uma verdadeira luta pela paternidade e guarda da filha (três possíveis pais e a avó), pois esta menina valeria milhões... Para além de ser filha dela (podemos ver aqui uma campanha em que com 6 anos já fazia para a marca Guess?), seria a herdeira da fortuna que ela nunca chegou a receber em vida do seu marido bilionário (e que nem a filha receberá, depois de uma batalha de 14 anos em tribunal). Afinal, até na morte ela não pôde estar em paz... E acabou por morrer nova como o seu ídolo...

 

 Quem quer ser Playmate depois disto tudo...? Not me... :)

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Quantos somos no Facebook?

Seguir no bloglovin

Seguidores

Quantos andam aí?

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D

Noi hablamos autres lenguas

Partilhar no Facebook

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.