Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Brega & Chique

Este é um blogue de uma mulher portuguesa com todas as (f)utilidades inerentes a essa condição...

Livros: «a máquina de fazer espanhóis», de valter hugo mãe

1.jpg

Não gosto da escrita de valter hugo mãe (já que ele quer as minúsculas...). Para mim, a pontuação é fundamental para passar a mensagem. Essa história de fluência, como relata Caetano Veloso no prefácio, não me convence. Um livro é a visão de alguém sobre alguma coisa; nem que seja alguém inventado. Retirar a pontuação é exprimir-se em tom monocórdico. Sei que há muita gente que gosta, mas eu não. Preciso de colorir as emoções e os pensamentos que me estão a narrar.

2.jpg

Já quanto ao conteúdo do livro, o sumo, propriamente dito, a minha opinião vai ao extremo oposto. O livro aborda a velhice, a passagem do rio que não volta (como Ricardo Reis dizia), a impotência do ser humano para controlar a sua vida a partir de uma certa idade, a perda da independência das nossas ações e opções, a revolta e a raiva de já não sermos os mesmos e as emoções e sentimentos ao lidarmos com isso. O constatar de que o mundo e a vida segue, apesar de nos sentirmos a definhar, enfim, a condição humana mortal e o encarar da morte ora com repulsa, ora como forma de paz.

3.jpg

Pelo meio, referência a outros temas como a religião, a amizade, a época salazarista, o livre arbítrio e o livre pensamento e o seu inverso. Arrependimento, remorso e autopunição.

Se há coisa que me aterroriza é o conceito de lar de terceira idade. O local para onde se vai esperar a morte. É como se fosse um mosteiro em que nos despojamos de tudo o que é nosso e de nós mesmos quando entramos. Perde-se a identidade e quase tudo o que nos caracterizava como indivíduo cá fora. Não me venham com tretas. Para mim, pior que morrer sozinho, é morrer "sozinho" numa instituição. 

Tive uma avó que passou os seus últimos anos num lar. Creio que até era bem tratada e ela era até muito social e animada. Mas não deixou de se perder ao entrar lá.

Ia lá muitas vezes visitá-la, mas de cada vez que lá ia, era como se me apunhalassem. Ela mostrava-se até feliz, mas o entorno dela era angustiante. Não houve uma vez que lá fosse que não me apetecesse trazê-la de volta. Claro que isso é impossível na sociedade ocidental de hoje. É por isso que olho com respeito para o oriente, onde os seus "velhos" que aqui são vistos como "fardos" são tratados com respeito, carinho e consideração, dando-se valor a todo o conhecimento que adquiriram com a sua vivência. Nisso, estão à nossa frente anos-luz. Será que algum dia chegaremos lá...?

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Quantos somos no Facebook?

Seguir no bloglovin

Seguidores

Quantos andam aí?

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D

Noi hablamos autres lenguas

Partilhar no Facebook

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.