Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Brega & Chique

Este é um blogue de uma mulher portuguesa com todas as (f)utilidades inerentes a essa condição...

Muiiiiiitoooooo cuidado com os cabeleireiros que escolhem...

 O cabelo de uma mulher é um dos elementos mais importantes da sua imagem e parte essencial da sua autoestima, no que concerne ao seu aspeto físico. Também é certo e sabido que o bem estar físico afeta o nosso interior e vice-versa, portanto, conclui-se que aqueles singelos fios que saem da nossa cabeça têm mesmo importância para nós... e para eles também porque é um dos elementos que mais apreciam no universo feminino.

 

Vai daí que quando temos um "bad day hair", é natural que "só" isso já seja suficiente para andarmos de trombas... Agora, quando o problema é ainda maior, não estaria a exagerar se dissesse que até pode levar ao estado depressivo...

 

Portanto, a escolha de quem lhe toca, quem o penteia, quem o corta e, sobretudo, quem lhe põe produtos químicos em cima (sejam eles de cor ou forma) é de suma importância. Não é à toa que as mulheres vão anos a fio ao mesmo profissional de cabelo. Quando gostam do serviço, dificilmente mudam, a não ser que surja algum problema.

 

Ir ao cabeleireiro, para mim, é uma autêntica seca e perca de tempo. Não é uma festa como os homens (ou outras mulheres) pensam que é. Regra geral, temos sempre que esperar para qualquer coisa: ou para lavar, ou que venham cortar, ou que o creme ou a coloração faça efeito, que se acabe outro serviço para virem terminar o nosso, para pagar, para acabar de fazer a última fofoca... etc... Ah... e pagamos bem (se for um serviço bom, com produtos que não estraguem o cabelo, pelo menos).

 

Tudo isto, já é mau, mas se as coisas correrem bem... a lista que enumerei é o preço para aumentarmos a nossa autoestima. O problema, é quando a "coisa" corre mal... e acreditem que pode mesmo correr muiiiiiiitooo mal, ao ponto de pessoas ficarem com peladas para o resto da vida, queimadas e outros que tais. Não indo a tais extremos, só no meu círculo de amizades, tenho visto "maravilhas" como: cortarem demais o cabelo (o mais comum - devem ter inveja de quem tem cabelo mais comprido que elas ou eles...); fazerem um mau corte (tipo: mais de um lado que do outro); más ondulações (tipo caniche); ao fazerem madeixas deixarem um risco; não acertarem na cor; porem o cabelo verde ou cor-de-rosa; e, claro, estragarem o cabelo de alguma forma.

 

Com estas novas técnicas de "ombré", californianas e afins, então, é só asneiras... Portanto, muito cuidado com quem escolhem... Ah... E não adianta escolherem o cabeleireiro XPTO da moda, careiro como o c..., que promove eventos e dita "tendências", que diz que tem o curso de colorista e que até põe fotos de trabalhos da concorrência mal feitos no facebook do seu salão para mostrar que "ele é que é" e os outros não sabem...

 

Estes são os piores! Na teoria, escolhes o melhor para fazer a tua grande "mudança" porque não queres que te estraguem o cabelo. Na prática, pagas "couro e cabelo" (literalmente) para saíres de lá com o cabelo tipo "chiclet" todo estragado e feio, porque o "colorista da treta" nem te soube fazer o pedido. Ou seja, entras com um bom cabelo e bonito e sais feia, com o cabelo detonado e sem um tostão. Mais te valia teres ido à "Maria da esquina", que tinhas pago 1/3 e não te tinha estragado o cabelo...

 

Foi o que aconteceu ainda há pouco tempo a uma amiga minha de Aveiro. Um destes "profissionais" estragou-lhe o cabelo todo ao tentar fazer um trabalho que ela pediu. Nem fez o trabalho (porque não foi nada do que ela pediu) e o cabelo ficou sem solução... O mínimo que era expectável de um verdadeiro profissional era: 1º: devolver o dinheiro de um serviço que não fez; 2º responsabilizar-se pelo tratamento do cabelo que estragou. Antes disso tudo, um sincero pedido de desculpas. O que é que o dito cujo fez, em vez disso...? 1º Negou que o serviço estava mal feito. 2º Perante os factos inegáveis, disse que tinha avisado que o cabelo iria ficar sensibilizado. Ora, sensibilizado não é nem sequer conseguir penteá-lo... 3º Quando percebeu que a minha amiga não estava a brincar, para "não ficar mal na fotografia" ofereceu-lhe um tratamento único qualquer no salão (como se isso lhe salvasse o cabelo...) e... mudar-lhe a cor! Só uma pessoa desprovida de cérebro deixaria que voltasse a mexer no seu cabelo quem o estragou...

 

Em suma... na minha opinião, um cabeleireiro deve ser escolhido, em primeiro lugar, pelo conhecimento de trabalhos feitos a pessoas conhecidas, que nós vemos ao vivo e a cores. Só assim, temos real noção do seu trabalho e da forma como se relaciona com os seus clientes. Não adianta irmos pela reputação e muito menos pelo "cachet" que leva dos seus trabalhos ou pela exposição nos "media". E lembrem-se, queridos cabeleireiros: ser um bom profissional é também saber admitir erros (afinal de contas, somos todos humanos). A minha amiga ficou com o cabelo estragado, mas o incompetente que o fez também não se livra de uma publicidade altamente negativa...

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Quantos somos no Facebook?

Seguir no bloglovin

Seguidores

Quantos andam aí?

Visitas

Blogs Portugal

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D

Noi hablamos autres lenguas

subscrever feeds

Partilhar no Facebook

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.