Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Brega & Chique

Este é um blogue de uma mulher portuguesa com todas as (f)utilidades inerentes a essa condição...

Por que é que os homens vão às "meninas de alterne"...?

 Caros homens: será que algum de vós me pode esclarecer nesta questão: por que raio determinados espécimes do vosso sexo frequenta as chamadas "boîtes", ou por outra, bares de alterne...? Repare-se que não me refiro a prostíbulos... nestes lupanares é suposto o homem pagar por um serviço, que neste caso, é o sexo. Até aí, entendo. O tipo vai lá, paga e obtém o pretendido, de acordo com as suas possibilidades (económicas e físicas) e fetiches. A prostituta (desde que não esteja em escravatura, tráfico humano ou afins), melhor dito, a profissional de sexo, faculta-lhe o dito serviço, de acordo com o preço estipulado e mediante o acordo de ambos. Parece-me razoável.

 

Outra coisa muito diferente é o gajo ir a um bar de alterne... Ora, vejamos o que diz no dicionário sobre o que é "alterne":

«atividade realizada por mulher contratada por estabelecimento nocturno para fazer companhia aos clientes e estimular as suas despesas de consumo» (in Priberam).

 

Portanto, basicamente, os bares de alterne são locais que contratam mulheres que fazem os seus clientes consumir muito. Ponto final. É uma espécie de técnica de vendas específica. Ou seja, o tipo vai a um bar sabendo que nem vai fazer sexo, nem vai conhecer a mulher da vida dele. Vai lá para gastar dinheiro e ser levado a isso. Ah... e para ver outros "machos" como ele a dançar e a babar em cima do decote da fulana onde ele há de pôr a mão a seguir. Em suma, trata-se da prática daquele famoso ditado, mas ao contrário. Em vez de ser «Somos todos irmãos, mas cada um come na sua casa" é mais do género: «Somos todos irmãos e todos comemos, digo bebemos (porque nem comer comem...) na mesma casa". Parece-me bem...

 

Realmente, há homens muuiiiiitooooooo inteligentes... Em vez de convidarem uma rapariga (com quem de facto poderiam vir a ter uma relação) para irem tomar um copo, ou até mesmo sair com os amigos e conhecer uma data delas, não...O que faz, então...?

Pega no seu suado dinheiro e vai para um sítio destes. Chegado aí é imeditamente levado por uma técnicas de vendas para um bar para pagar copos a uma fulana que nem o nome que lhe diz é verdadeiro. Em contrapartida, o másculo conta-lhe a vidinha toda com pormenores sórdidos até da mulher que é a mãe dos seus filhos, estando mesmo a pedir para ser chantageado...

Pelo meio da noite, na pista de dança fedida e ao som de algum bolero gritado do século passado encontra alguns cúmplices com quem troca olhares fraternos e compreensivos, antes de passar para os braços e o pescoço da mulher (muitas vezes gorda e vestida de leopardo) que este acabou de largar para ir buscar mais bebidas.

A noite acaba invariavelmente com ele já grogue, em risco de perder a carta de condução até chegar a casa e sem dinheiro no bolso. Mas ele, sente-se muito feliz, porque é "homem com h"... Foi às meninas (embora venha a seco), veio teso (a dobrar) e assim vai permanecer por muitas mais noites: sozinho, estúpido e rijo, porque são coisas destas que fazem dele um "macho". Oremos, irmãos...

4 comentários

Comentar post